A escolha correta das cores na decoração é simples de ser feita. Escolhido o esquema que combine com o gosto pessoal, qualquer pessoa pode
transformar esse aparente problema num agradável trabalho.

ESQUEMA COMPLEMENTAR

Indicado para quem gosta de contrastes bruscos em relação à cor dos móveis, paredes, tapetes, etc., o esquema complementar utiliza uma cor primária junto a uma secundária – elas ocupam posições opostas no círculo de cores.

Mas é preciso atenção em dois detalhes:

Cor base – Em geral, a cor mais “fraca” é reservada às peças maiores, enquanto a mais “forte” fica para os elementos de menor tamanho. Por exemplo: usar o amarelo e suas tonalidades em paredes, pisos ou cortinas e o violeta nos móveis pequenos e nas outras peças. Ou então: jogar com o branco ou tons neutros nas grandes superfícies, deixando as cores complementares “fracas” para as superfícies médias e as “fortes” para enfeites, quadros,
almofadas, etc. Uniformidade – Sempre que se tratar os diversos cômodos da casa com diferentes esquemas de cores, convém lançar mão de um detalhe

que dê unidade ao conjunto. Assim, convém que as paredes ou o carpete sejam da mesma cor em toda a residência. Para isso, é preciso considerar se a preferência é por cores vivas ou, pelo contrário, por tonalidadesmais sóbrias.

1

Uma maneira de evitar

que o ambiente se torne pesado e
cansativo
é fazer com que

a cor primária (vermelho) predomine

sobre a secundária (verde).

2

Usando as cores neutras,

o esquema complementar permite,
depois de algum tempo, a troca

da cor de uma peça por outra, sem que
isso implique em gastos.

3

No esquema complementar

as cores mais fortes podem receber
uma iluminação mais intensa

quando se deseja destacá-Ias

no ambiente.

Fonte: Enciclopédia da Mulher